Entidades da Ufes repudiam ação da PM em manifestação realizada na Reitoria

Documento foi protocolado dirigido ao Gabinete da Reitoria, que ontem nada fez para interferir na situação. Leia a nota abaixo:

 

Vitória, 14 de agosto de 2020

Ao Reitor da Universidade Federal do Espírito Santo

Prof. Dr. Paulo Sérgio de Paula Vargas

Assunto: nota de repúdio e pedido de providências.

            No dia 13 de agosto, durante a realização da sessão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe-Ufes), as entidades representativas dos segmentos da universidade - Adufes, DCE e Sintufes, fizeram uma intervenção no campus Goiabeiras, com colocação de faixas no alambrado da instituição e cartazes confeccionados para fixar no prédio da Reitoria como forma de expressar nossa oposição à adesão da Ufes ao ensino remoto.

             Devido às orientações de distanciamento social e recomendações sanitárias, estudantes, técnicos e docentes usavam máscaras e pacificamente nos dirigimos ao prédio da Administração Central, onde fomos recebidos na portaria por Policiais Militares que trabalham na Ufes que nos impediram de acessar o 1º e o 2º piso, local em que pretendíamos colar cartazes, de forma simbólica, uma vez que além de abrigar o Gabinete da Reitoria, o local também aloja a sala de sessões dos Conselhos Superiores, de onde Reitor e Vice-Reitor participavam da sessão do Cepe.

            Além do impedimento de nossa circulação, fomos tratados com agressividade e ameaças, por policiais armados que intimidavam os manifestantes. Os policiais informaram que iriam pedir autorização a alguém da gestão que estivesse nos andares superiores para que pudessemos subir, tanto quanto foi solicitado que alguém da equipe do Reitor viesse dialogar com estudantes, técnicos e docentes que estavam na portaria. Nem fomos autorizados a subir para colocar os cartazes e também não fomos recebidos por ninguém na portaria para dialogar

            Adufes, DCE e Sintufes repudiam a forma autoritária como a Reitoria da Ufes trata sua comunidade, fechando suas portas à liberdade, à autonomia, à divergência e fecha-se cercada por policiais armados que blindam sua atuação impositiva e de uma só voz.

As entidades exigem o imediato desligamento do Sub-tenente Ramos dos quadros da Ufes, pois a situação vivenciada revelou seu despreparo para lidar com o público, em especial portando uma arma de fogo.

         Por fim, lembramos que por ocasião do convênio firmado entre a Ufes e a Polícia Militar, nos opusemos a essa vinculação, justamente por entender que mais cedo ou mais tarde, além da brutalidade costumeira, a atuação em espaço interno da universidade serviria ao propósito de uma polícia política, como ficou evidentemente caracterizado.

                                 Associação dos Docentes da Ufes (Adufes)

                              Diretório Central dos Estudantes da Ufes (DCE)

                               Sindicato dos Trabalhadores na Ufes (Sintufes)

Leia também a nota em PDF aqui

ANDES