C/vídeo - vítima de ataques racistas na web, professor da Ufes ingressa com notícia-crime na Justiça


A ação coletiva, assinada por diversas entidades dos movimentos negros e sociais, será protocolada às 15 horas desta quinta-feira (5) no Ministério Público Federal (MPF), em Vitória. Durante a entrega haverá ato político.

O professor do Centro de Educação da Ufes e atual pró-reitor de Assuntos Estudantis e Cidadania, Gustavo Forde  entra na tarde desta quinta-feira  (5) com queixa-crime por  atos de racismo praticados contra ele nas redes sociais. Nos comentários, os internautas  atacaram à imagem do docente, sobretudo no que diz respeito à sua aparência ou ao que o professor representa profissionalmente.

A ocorrência se deu após o docente conceder entrevista ao jornal A Gazeta e portal Gazeta Online em torno da publicação do seu livro “Vozes Negras na História da Educação: Racismo, Educação e Movimento Negro no Espírito Santo (1978-2002)”.  A obra, resultado de trabalho de doutorado na Ufes, aborda o racismo institucionalizado e o papel do negro na educação.

Bastou falar publicamente sobre o tema do livro que logo começaram os ataques públicos na internet contra o professor e pesquisador das relações étnico-raciais e de estudos afro-basileiros da Ufes. Os internautas destilaram palavras de ódio contra a aparência pessoal de Gustavo, o acusaram de ser ‘defensor da maconha’ e, ainda, colocaram em cheque sua competência teórica e profissional.

“As ofensas foram praticadas não somente contra o estado, mas contra um professor, doutor, negro, que ocupa uma função na ufes. As pessoas sequer se  deram ao trabalho de ler o que o Gustavo disse, mas se sentiram ofendidas pelo que ele faz,  por estar em destaque. É a conclusão que chegamos, trata-se de crime de racismo”, disse o advogado do docente, André Moreira durante reunião que deliberou sobre a notícia- crime e outras medidas futuras que o caso requer.

O encontro ocorreu no último dia 22, na sede da Adufes, e contou com a presença de organizações do movimento negro e da sociedade organizada, além de docentes e pesquisadores. Leia Nota de Repúdio da Adufes  - publicada em 09 Maio/19

Veja vídeo com o professor Gustavo Forde e integrantes do movimento negro

ANDES