Comunidade da Ufes realiza Mostra para promover “balbúrdia universitária”

A atividade integra o Dia Nacional de luta da Educação e ocorrerá de 13 às 16 horas na passarela do campus de Goiabeiras/Ufes (da altura do prédio da  Pró-Reitoria de Graduação até o Centro Tecnológico)

Após o anúncio de corte de verbas e ironizando a fala do ministro da Educação, Abraham Weintraub, a comunidade acadêmica da Ufes escolheu uma resposta para divulgar as ações de ensino, pesquisa e extensão das universidades. Nesta quarta-feira, 15,  dia da Greve Nacional da Educação,  uma das atividades de mobilização será a 1ª Mostra  Balbúrdia Universitária.

A ação poderá visitada entre 13 e 16 horas na passarela coberta do campus de Goiabeiras/Ufes (da altura do prédio da Pró-Reitoria de Graduação até o Centro Tecnológico no campus de Goiabeiras, em Vitória.  Estarão expostos trabalhos acadêmicos desenvolvidos por estudantes, docentes e técnicos administrativos da universidade.

“Queremos que a comunidade interna e externa tenha conhecimento do trabalho sério que é feito todos os dias nos nossos campi”, ressalta o presidente do Sindicato dos Professores da Ufes (Adufes), José Antônio da Rocha Pinto, criticando o anúncio dos cortes e a perseguição à suposta “balburdia” nas instituições de ensino.

Leia:  Inscrições abertas para 1ª Mostra Balbúrdia Universitária

Cortes. O MEC realizou um bloqueio da ordem de 30% no orçamento de instituições federais de ensino de todo o país. Na Universidade Federal do ES (Ufes), o corte foi da ordem de R$ 33,2 milhões dos recursos orçamentários de 2019, o que equivale a 33% do orçamento total inicialmente previsto de R$ 99,4 milhões (incluindo orçamento de custeio, de capital e emendas parlamentares).

Do montante contingenciado, R$ 26,5 milhões é orçamento de custeio e R$ 1,9 milhão de capital. Também foram bloqueados 100% do orçamento de emendas parlamentares, o equivalente a R$ 4,8 milhões. O corte de custeio, de acordo com a universidade, impactará diretamente nas despesas com consumo de água, energia elétrica, contratos de prestação de serviços de limpeza e segurança.

Já o bloqueio dos recursos orçamentários de capital, assim como das emendas parlamentares, afetará investimentos em obras e aquisição de equipamentos. Todos os cortes impactarão e as atividades de ensino, pesquisa e extensão. Para o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), a porcentagem corresponde a um corte de aproximadamente R$ 25 milhões.

Fonte: Adufes 

ANDES